Quem somos

O lugar de Varatojo, situado a escassos 2 Km. da cidade de Torres Vedras, começou a tornar-se conhecido particularmente a partir de 1474, quando abriu o Convento dedicado a Santo António, graças à devoção do rei fundador D. Afonso V, que 4 anos antes aqui viera lançar a primeira pedra, cumprindo assim o voto feito ao grande Santo da sua devoção. Ao Convento franciscano de Alenquer, que ainda nos tempos de S. Francisco começara a albergar os primeiros religiosos franciscanos em Portugal, foi ele buscar os primeiros 14 povoadores desta comunidade varatojana. Desde então até hoje, o espírito do Poverello de Assis jamais deixou de palpitar fortemente no coração de quantos por aqui passaram (e foram muitos!) ao longo destes mais de 5 séculos de vida. Mesmo quando, em tempos difíceis da nossa história, leis de perseguição à Igreja tentaram rejeitar os que aqui viviam, sempre os religiosos expulsos não deixaram de se manter fiéis ao espírito de fraternidade e amor a Deus, concretizado no íntimo do seu coração e nos contactos possíveis com quantos encontravam nos caminhos da vida. Páginas lindas da história franciscana em Portugal encontramos nós escritas pelo exemplo, por vezes até pelo silêncio, de muitos que viveram nesses tempos difíceis da história lusa. E, já após o seu regresso em 1861, quando estes espaços nos foram entregues, é de realçar o cuidado havido em ministrar a cultura às gentes de então, abrindo uma escola quase logo de seguida, que há quem diga ter sido a primeira escola primária de todo o concelho de Torres Vedras.

Hoje, aqueles que nos visitam podem imaginar um bocadinho a vida aqui vivida ao longo deste longo período da história percorrendo as várias dependências que é possível visitar. Na igreja, tudo nos fala de Deus e aponta caminhos de perfeição, particularmente através dos azulejos que emolduram grande parte das paredes: verdadeira pregação popular que ia direta ao coração. O mesmo se pode dizer da sacristia conventual.

É neste ambiente que hoje vivem os religiosos franciscanos que se encontram no Convento de Varatojo, velhinho de mais de 5 séculos. Uns mais idosos, outros mais novos. Todos ocupados em suas tarefas específicas, mas sempre irmanados pelo espírito de fraternidade que os une, sempre com a preocupação da fidelidade ao carisma haurido em Francisco de Assis que viveu há 8 séculos.

Neste momento (ano 2018), a Fraternidade é composta por 14 irmãos: 2 irmãos auxiliares, 8 sacerdotes e 4 irmãos Noviços. Todos preocupados em amar a Deus e d’Ele dar testemunho pessoal na vida e no meio ambiente que os circunda. À eucaristia diária vão buscar forças para os contratempos que forçosamente vão surgindo. E ao perto e ao longe, em especial nas duas Paróquias que lhes estão confiadas e no acolhimento a quantos os procuram, esforçam-se por ajudar na busca da Verdade que todos devem testemunhar na vida.

Ao longo de muitas décadas o Convento tem sido destinado particularmente como centro de formação para os Jovens que nos procuram, atraídos por Francisco de Assis. Aqui funciona por isso o Noviciado que atualmente integra 4 candidatos à Ordem Franciscana, com o “Mestre de Formação”, procurando os demais irmãos ajudá-los na sua caminhada, já que toda a comunidade deve ser formadora.

À responsabilidade de um dos irmãos sacerdotes temos as Paróquias de Ponte do Rol e S. Pedro da Cadeira, sempre coadjuvado pelos demsis sacerdotes do Convento quando é necessário, particularmente nas missas dominicais, tendo em conta o grande número de comunidades em S. Pedro da Cadeira, ou sempre que o pároco se tem de ausentar.
Porque inseridos nos domínios de uma das Paróquias da cidade de Torres Vedras, também aí damos a colaboração que nos é solicitada, que aliás já vem de longa data, a começar pelo Centro de Catequese a funcionar nos espaços do Convento, ao cuidado dos Irmãos Noviços e Catequistas desta comunidade cristã.

Ao cuidado da Fraternidade, temos o “Lar de S. Francisco”, mesmo à porta do Convento, assim como um outro Lar (um bocadinho mais distante) onde prestamos a indispensável assistência religiosa.
Além destes, mais duas unidades de Saúde, na paróquia da cidade de Torres Vedras, beneficiam da nossa presença semanal.

De realçar o trabalho prestado à Catequese desta localidade varatojana, com a colaboração dos Irmãos Noviços, sendo dezenas as crianças que semanalmente aqui aparecem para “aprenderem” a melhor amar a Deus e aos irmãos.

Recentemente, dsevido à escassez de sacerdotes, tivemos com tristeza de abandonar alguns serviços pastorais que prestávamos mais longe do Convento. No entanto, isto não impede que, de quando em vez, sempre dentro da disponibilidade possível, não apareçamos por esses lados, dando testemunho do carisma franciscano que faz parte diária da nossa vida.

Outro aspecto que não devemos esquecer é a atividade missionária levada a efeito pela União Missionária Franciscana, que tem como finalidade incutir o espírito missionário no coração e na vida dos cristãos em favor de muitos que vivem em terras longínquas aonde não chegou ainda a mensagem do Evangelho ou vivem no meio de muitas carências. É consolador ver que este “espírito missionário” se mantém bem vivo em muitos corações nestas gentes do Oeste (e não só!), como o comprova o grande número de pessoas que anualmente demandam este local por ocasião da “Festa das Missões Franciscanas” (último domingo de Maio) ou no “Convívio Missionário” (1.º domingo de Novembro).