Leitura espiritual do Evangelho de S. Lucas no ano de Rembrandt

Caros irmãos e irmãs,

Saudações fraternas de paz e bem.

Os Franciscanos do Convento de Varatojo (Torres Vedras) vão iniciar, no dia 26 de fevereiro, uma proposta de leitura espiritual do Evangelho de S. Lucas, ano da celebração dos 350 anos da morte de Rembrandt (1606-1669), pintor que muito se inspirou neste livro bíblico.

Esta proposta consiste numa leitura de conjunto com base no texto evangélico e outra leitura mais aprofundada de algumas narrativas entre as mais trabalhadas por Rembrandt, nomeadamente Lc 24, 13-35 (o ressuscitado com dois discípulos a caminho de Emaús) e Lc 15, 11-32 (o pai misericordioso, o pródigo e o irmão).

Para efeitos de organização, nomeadamente no que se refere ao número máximo de participantes, os interessados podem fazer as suas inscrições, sem qualquer custo, conforme as indicações do cartaz enviado. Os encontros decorrem nos dias que constam no mesmo cartaz de divulgação.

Esta iniciativa insere-se já no conjunto dos eventos comemorativos dos 550 do Convento de Varatojo, um dos mais históricos dos conventos franciscanos do nosso país, com uma comunidade residente.

Os azulejos da nossa escadaria

Como foi do conhecimento de muitos dos nossos amigos, o Convento de Varatojo resolveu também participar no último orçamento participativo recentemente organizado pela Câmara Municipal de Torres Vedras. Muitos se interrogarão: Qual o resultado obtido?

O nosso Projeto visava a conservação e restauro dos azulejos existentes na escadaria que conduz ao átrio da igreja e portaria do Convento. Azulejos do séc. XVIII, trazidos da igreja da Graça, em Torres Vedras, após sucessivas transformações que nela ocorreram desde 1834. Além dos estragos já causados nessa mudança e transporte, em 1910, por ocasião da implantação da República, os mesmos foram alvo do outros atos de vandalismo. Posteriormente, as condições atmosféricas (e não só) ao longo de mais de cem anos trataram do resto.

Quando foi anunciada a candidatura para o Projecto participativo da Câmara do ano em curso, resolvemos ativar a nossa candidatura. Esperávamos que a nossa freguesia, sendo a freguesia com maior número de eleitores, fosse mais sensível a esta “campanha”, o que infelizmente não aconteceu, pois não foi contemplada com qualquer dos projetos apresentados! Dá que pensar! Durante a nossa campanha, cerca de 90% das pessoas abordadas não tinham conhecimento da existência do “Orçamento participativo” nem sabiam como votar!

No final, dos diversos Projetos apresentados, foram 7 os contemplados. O nosso, entre os 38 que concorreram, ficou em 10.º lugar, com 699 votos. Resta-nos agradecer a todos os que trabalharam nesta campanha e votaram no Projeto apresentado pelo Convento de Varatojo e dar o parabéns ao vencedores mas também aos vencidos, pois quer uns quer outros alertaram a população para necessidades de vários tipos. Para o ano há mais, se Deus quiser.

Entretanto, depois de termos apelado à Câmara Municipal para a urgência desta intervenção, recebemos a aprovação de 4 mil euros. Com este dinheiro vamos conseguir manter os vidrados fixados por mais tempo e utilizar biocidas que impeçam o avanço da sua degradação. Esta intervenção dar-nos-à tempo para continuar com outro tipo de campanhas de angariação de fundos. Ao Sr. Presidente da Câmara, Dr. Carlos Bernardes, o nosso reconhecido agradecimento. Informamos os nossos leitores que pretendemos continuar outros trabalhos de conservação do Convento tendo em vista a celebração dos 550 anos da sua fundação (1470-2020). Se tiver gosto em nos ajudar através do mecenato ficaremos muito gratos, assim como todos os nossos visitantes.

Até 4 de Outubro

Paz e Bem a todos os nossos visitantes, de modo especial, a todos os eleitores no Concelho de Torres Vedras.

Está a decorrer até dia 4 de Outubro, curiosamente dia de S. Francisco de Assis, mais uma edição do Orçamento Participativo. Este ano decidimos concorrer. A nossa proposta, número 18, visa conservar os azulejos oitocentistas, que se encontram na escadaria do Convento. Aqueles que já nos visitaram sabem que é uma obra importante e de interesse público.

Pedimos o favor de nos apoiarem, caso concordem com este projeto.

Obrigado.

Os nossos noviços fizeram os seus primeiros votos religiosos

No dia 8 de Setembro, Festa da Natividade de Nossa Senhora, o Frei Pedro Ferreira, o Frei Filipe Martins e o Frei André Gonçalves, depois de um ano de noviciado, fizeram os seus primeiros votos religiosos. A celebração decorreu publicamente, em clima de alegria e emoção numa Eucaristia celebrada pelas 10h30 e presidida pelo Rev. Provincial, Frei Armindo de Jesus. Estiveram presentes os seus familiares, amigos e muitas pessoas do lugar de Varatojo e de Torres Vedras, com quem partilharam vida e fé.

Pedimos a todos que rezem por eles, para que perseverem na sua vocação.

 

 

 

O Senhor nos deu irmãos!

Paz e Bem a todos os nossos visitantes!

É com alegria que comunicamos a chegada de mais um irmão noviço. Estamos habituados a ver vocações mais jovens, mas desta vez o Senhor deu-nos um irmão sacerdote que, desde tenra idade, desejava ser franciscano. Nasceu a 15 de Maio de 1943, na Freguesia de S. João Baptista, Concelho de Moura, Distrito de Beja. Servia o Senhor como sacerdote na Diocese de Beja. Depois de um tempo de acompanhamento e discernimento, tomou hábito no dia 7 de Setembro. Pode conferir aqui o que este novo irmão pensa sobre este momento tão especial da sua vida:

Deus sempre fez história com o Homem. Deus que vem ao encontro do Homem, desde sempre, para Se lhe revelar, para estabelecer com ele uma aliança e lhe oferecer um projeto de felicidade. E sendo esse projeto para todos os homens e para todos os tempos, mesmo nas infidelidades do seu povo, nunca desistiu de lhe mostrar caminhos de salvação, simplesmente porque é um projeto de amor .
Assim acontece em relação a cada um de nós, neste tempo que é o nosso. Assim aconteceu comigo, no meu tempo que é agora, porque este é o tempo de Deus em mim, na minha história, na minha vida. E de tal maneira surpreendente essa intervenção de Deus na minha história (porque subtil, “como a aragem onde o Senhor está ao cair da tarde”; porque quase impercetível, pois estruturada que está em mim; porque desconcertante por ser dom indizível e de incomensurável gratuidade) que, por antítese, quase me escapa.
Não porque não a tivesse pressentido, real e premente, a marcar desde sempre a minha existência, em apelo permanente, a atravessar por dentro toda a minha vida, paciente, persistente, transformante, como dom único e libertador e expressão de graça e de misericórdia. Mas porque me espanta e me transcende esta persistência de Deus que fez caminhar em mim a Esperança mais longe do que o medo, todos os medos e o seu amor inefável que foi mais resistente do que esta longa, longa espera! Poderia então dizer como o profeta : “…Vós me dominastes e me vencestes…” (Jer. 20,7)
E é precisamente este aspeto da relação entre Deus e a sua criatura aquilo que escapa ao meu entendimento, essa antecipação intemporal no gesto de amor e na oferta de um projeto de felicidade. É uma espécie de memorial agora evocado de algo que Deus, desde toda a eternidade, para mim tinha reservado…” estava ainda nas entranhas de minha mãe quando Deus pronunciou o meu nome…” (Is, 49,1); memorial das maravilhas de um Deus que sempre cuidou da sua pobre criatura e que agora, uma vez mais, se realiza na minha vida neste momento luminoso, vindo ao meu encontro, numa iniciativa que é só d’Ele, apesar da minha fragilidade, da minha pobreza, do meu demérito e, no cumprimento do seu plano de amor realizado em seu Filho Jesus Cristo “Ele, rico em misericórdia, pela grande caridade com que me amou…quis mostrar a abundância da sua graça e da sua bondade para comigo em Jesus Cristo…”(Ef. 2, 4, 7), me toma pela mão e sem contar tempo, nem os meus anos, nem a minha idade, tendo apenas um olhar de misericórdia sobre mim, me conduz ao seio da Ordem dos Frades Menores e me oferece o santo hábito e me abre as portas do Noviciado.
Momento de Deus saboreado no mistério e desde sempre reclamado, para se tornar sacralidade e presença de Deus em mim; expressão de amor levado ao extremo em Jesus Cristo, pois se trata de um amor de perdão feito gratuidade e oferecido agora como dom no chamamento ao seguimento de Jesus Cristo segundo os conselhos evangélicos e no caminho trilhado por S. Francisco de Assis. Dom redentor que se derrama e se plasma e se funde em mim; Espírito de Deus que repousa em mim e que me faz proclamar a Paz e o Bem trazidos pelo Senhor Jesus Cristo e anunciados por todos os franciscanos; amor do Deus de amor que me escolheu para me consagrar ao seu Filho Jesus Cristo. Então, no espanto do acontecimento, nesta realidade que me confunde, só posso dizer como S. Paulo “Ó abismo da riqueza, da sabedoria e da ciência de Deus! Como são insondáveis os seus juízos e impenetráveis os seus caminhos !… Porque tudo é dele, por Ele e para Ele. A Ele a glória pelos séculos ! Ámen”

Solenidade de Santo António no Convento

Paz e Bem!

A nossa aldeia de Varatojo está em júbilo pela solenidade de Santo António! Há semelhança dos anos anteriores, com a ajuda preciosa de vários colaboradores temos vindo a embelezar esta festa com tapetes de flores pelos espaços do convento, desde o cruzeiro até ao claustro. Este ano o tema foi o seu fundador, o Rei Afonso V. Esta exposição estará visitável até ao próximo domingo, estando sujeita às condições climatéricas.

O visitante, descendo em direção à entrada principal do Convento, passando pela Cruz de pedra, à esquerda, junto à água e à imagem de Santo António, encontra o primeiro tapete: os raios do sol, lembrando a tão bela oração de São Francisco, o Cântico do Sol ou Cântico das Criaturas.

No termo das escadas, o brasão franciscano: braços de Jesus Cristo e de São Francisco com a Cruz e os raios do sol. Continuando, encontra, dos dois lados, as palmas do martírio, lembrando os primeiros mártires franciscanos que estiveram na origem da vocação franciscana de Santo António.

No espaço De paupertate nostra Jesu esurienti frangamus panem (“Da nossa pobreza partilhamos o pão com Jesus faminto” – lugar da distribuição dos alimentos aos pobres), o símbolo da portugalidade à esquerda, o símbolo de D. Afonso V (fundador do Convento de Varatojo) à direita, e no centro o Livro com o lírio de Santo António, homem da Palavra, doutor evangélico.

Na entrada da igreja, o visitante encontra o Tau, a Chama franciscana e o Pão dos pobres, marcas do franciscanismo antoniano de D. Afonso V, grande devoto do primeiro franciscano português e padroeiro do Convento de Varatojo. Na parte superior de cada tapete, estão representadas as marcas reais, lembrando o monarca fundador.

No claustro, bem no centro, está a imagem do festejado, em trono popular e embelezado com quatro dos muitos quadros alusivos à biografia do Santo: a pregação aos peixes, a cura de um jovem que tinha cortado um dos pés, a bilha (símbolo da popularidade antoniana) e o milagre eucarístico.

Irmã e irmão visitante: contemple a beleza deste claustro, único no nosso país, num lugar com 550 anos de história. Visite também a igreja deste Convento.

Que o Senhor lhe dê a Paz. Que Santo António seja a sua proteção. Até à sua próxima visita. Paz e Bem! São os votos dos irmãos franciscanos deste Convento e de todos os que fizeram estes trabalhos.

Orçamento participativo

Paz e Bem a todos!
Ontem, pelas 21h00, no refeitório da Escola Secundária Henriques Nogueira decorreu mais uma sessão do Orçamento Participativo de Torres Vedras. Foi um momento de importante cidadania no qual foram apresentados projectos maravilhosos que visavam melhorar as condições de vida dos torrienses e as estruturas de várias associações.
O Convento do Varatojo, com quase 550 anos, apresentou-se este ano com o projecto de conservação dos azulejos da escadaria exterior assim como melhorar o seu acesso a pessoas idosas e com mobilidade reduzida. Foi uma ideia muito acarinhada pelos presentes tendo sido eleita para a fase seguinte, onde esperamos também o mesmo acolhimento.
Queremos aqui deixar um forte agradecimento a todos os varatojanos e amigos que se mobilizaram para que esta ideia fosse aprovada, assim como todos os que votaram nela! Que Deus vos abençoe.